16 de nov de 2016

Como assim: aquecimento global?



Nunca acreditei  em aquecimento global  provocado pela ação humana. Acho o ser humano insignificante demais para colocar o mundo em perigo.

Aliás, na Era Glacial, não poluíamos "nadica" de nada e mesmo assim o  gelo derreteu. Há quem diga que foi devido aos peidos dos dinossauros (hoje, são os peidos das vacas que aquecem o mundo). Não dá para levar isso a sério, né? Se não levo, não é culpa minha.
De todo modo, parece que o aquecimento global se deve à própria Natureza, peidando ou não.
Mas, agora que surgiu um doido que pensa como eu, deu medo.

Fim da TV Justiça?



É engraçado! Os parlamentares fazem as leis, mas quando elas lhes são desfavoráveis, querem acabar com elas. 
Exemplo claro é  a pretensão do Deputado Federal Vicente Cândido (PT), em colocar fim às exibições dos julgamentos promovidos pelo Poder Judiciário, conforme   entrevista dada à Maria Lydia, da TV Gazeta
Com  certeza isso é devido às  sucessivas surras judiciais que o PT vem sofrendo, a meu ver,  de forma justa por conta dos efeitos da Lava-Jato.
Diz o  Deputado que a  publicidade do julgamento constitui  "execração pública". Ora, o  fato de haver publicidade do julgamento é justamente para evitar julgamentos  secretos, uma garantia tanto para o  acusado quanto para a sociedade. 
Aliás,  é o próprio Parlamento  (casa do Deputado) quem faz as leis que encampam a publicidade dos julgamentos, inclusive, ratificada recentemente pelo Código de Processo Civil de 2015, conforme artigo 11:


Art. 11.  Todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de nulidade.

O Código de Processo Penal  também prevê a publicidade dos atos processuais: 


Art. 185, § 1o  O interrogatório do réu preso será  realizado, em sala própria, no estabelecimento em que estiver recolhido, desde que estejam garantidas a segurança do juiz, do membro do Ministério Público e dos auxiliares bem como a presença do defensor e a publicidade do ato.
Art. 495.  A ata descreverá fielmente todas as ocorrências, mencionando obrigatoriamente:(...)
XVII – a publicidade dos atos da instrução plenária, das diligências e da sentença.
Art. 792.  As audiências, sessões e os atos processuais serão, em regra, públicos e se realizarão nas sedes dos juízos e tribunais, com assistência dos escrivães, do secretário, do oficial de justiça que servir de porteiro, em dia e hora certos, ou previamente designados.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, no seu artigo XI, 1, dispõe: 


Toda pessoa acusada de um ato delituoso tem o direito de ser presumida inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa. 
Note-se que a base legal  para a publicidade decorre de tratado internacional, do qual o Brasil foi signatário. 
Se os acusados (condenados) fossem exclusivamente de outros partidos o  Deputado teria empenho nessa empreitada? Obviamente que não. 
O pior, é que ele lança informações a esmo, dizendo que a publicidade é uma invenção do Brasil. O que é invenção do Brasil é a corrupção monstruosa e a leniência dos homens públicos, inclusive do próprio Deputado que não fez bem o seu trabalho. Seu grito agora contra a publicidade dos julgamentos é um grito atrasado,  que apenas pretende mudar as regras porque  está perdendo o jogo. 
Atentar contra a TV Justiça é atentar contra o interesse público. 
Parabéns Maria Lydia! Mais uma vez você deu um show de elegância e inteligência em mais essa entrevista. 

17 de set de 2015

O impeachment de Dilma

A Dilma tem que entender que voto não é carta branca para o cometimento de crime ou uso irresponsável do dinheiro público.
Impeachment não é golpe. É um instrumento legal. Serve justamente como meio de defesa da sociedade em face daquele que ganhou. Não se pede impeachment de quem perdeu.
Trata-se, portanto, de um procedimento antigo, legal e já utilizado com êxito na História recente do Brasil.
Não sou da oposição, apenas não concordo com essa libertinagem do governo do PT com o dinheiro público.
Se se está agindo conforme a lei, é simples: é só aguardar a improcedência do pedido. Mas é difícil, né?

21 de jun de 2015

Dilma, em queda livre

Não dá mais! 

Nem os militantes e nem o reduto nordestino que a estimava apoiam Dilma.

A cada dia, um novo golpe naqueles que ainda nutriam um pouco de simpatia por ela.

Agora, depois do escândalo das construtoras, ficará mais difícil a sustentabilidade do governo. E estamos apenas no 1o semestre do segundo mandato, que, definitivamente, ela não completará.

Parece que o negócio é arquitetar uma saída de emergência antes que o cenário piore, pois, pior do que está, pode ficar sim...Muito pior...
Lembrando que ainda enfrentamos uma crise hídrica e a Polícia Federal nem mexeu com o BNDS...

16 de out de 2013

O Brasil em xeque

Eu não estou nem pouco surpreso com essa onda de protesto espalhada pelo Brasil, a qual, inclusive, chegou ao absurdo de albergar ameaças de morte ao governador Geraldo Alckmin pelo PCC.

Também não me surpreende o vandalismo indiscriminado, gratuito e impune de mascarados.

Há muito tempo, o cidadão de bem vinha alertando o governo a respeito da má qualidade dos serviços públicos mas muito pouco foi feito.

Nos últimos anos, professores pararam, bombeiros pararam, médicos pararam, policiais pararam, juízes pararam...O Brasil está parando.

Diante da inércia do Estado, que cultiva uma democracia fraca à custa de uma demagogia tola (onde só se fala em direitos e nunca em obrigações), a Anarquia vem ganhando força.

Do jeito que a coisa anda, não me surpreenderei também se logo logo começarem a surgir ameaças à Dilma ou seja lá a quem for. Uma verdadeira afronta não apenas às autoridades públicas, mas ao próprio Estado e, portanto, a todos nós.

A Ordem Democrática e o Estado de Direito estão gravemente em xeque, e isso é muuuuito ruim.